sexta-feira, 18 de março de 2011

A vida


Até onde vale a pena viver,
Cantar, correr, dormir, acordar, estudar.

Enfastiei-me da vida e de muitas coisas relacionadas a ela.
Tive vontade de sumir, desaparecer completamente sem deixar rastros.

A morte foi minha confidente durante muitos dias, ou melhor, noites.
O sangue que corria em minhas veias esfriava a cada momento.

Minha esperança corria de mim, minha fé sucumbia diante do inesperado.

Eu era como um trapo, jogado ao relento.

Indignado com tudo e com todos ao meu redor.

Vida, inóspita vida, quem te entende? Há quem te busque e há quem queira fugir de ti...

E hoje? Hoje eu vivo, apenas vivo, e com intensidade vou caminhando na longa estrada que me levará ao desconhecido.

Clayton, apenas pensando e escrevendo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin